segunda-feira, 27 de junho de 2016

Documento da Semana: Carta do Uruguai publicada no jornal Norte Americano.


Por: Dr. Erick Reis Godliauskas Zen
Twitter: @erickrgzen 

No dia 26 de outubro de 1949, o Laisve (Liberdade), jornal comunista lituano editado na cidade de Nova York, Estados Unidos, publicou uma carta enviada do Uruguai por Antanas Vaivuskas, editor do jornal comunista lituano Darbas (trabalho) ao escritor e editor socialista Rojus Mizaras. Nela, trazia a informações mais detalhadas sobre o assassinato do militante comunista lituano no Brasil Alfonsas Marma.
A carta é um testemunho de um momento dramático, mas também uma mostra da redes de comunicação e das relações transnacionais entre os lituanos. Qual era a ligação dos personagens envolvidos?
Então vejamos...
Artigo publicado no jornal Laisve
Rojus Mizara nasceu nos Estados Unidos, de origem lituana, jovem se tornou um importante escritor socialista na América do Norte. Editou livros, organizou e editou jornais, em particular o Vilnis de Chicago e o Laisve de Nova York. Em 1928 ele foi enviado para a Argentina para auxiliar a formação do primeiro jornal socialista naquele país: o Rytojus.
Ao retornar aos Estados Unidos manteve contato com os ativistas socialistas lituanos na América do Sul. Entre estes ativistas estava Antanas Vaivukas, Vaivukas foi um importante ativista comunista tendo atuado com Alfonsas Marma.
Alfonsas Marma começou a militar no Brasil, ainda nos anos 1920 sendo expulso do país em 1930. Se estabeleceu no Uruguai e lá contribuiu para a fundação dos primeiros jornais socialistas em idioma lituano em Montevidéu. Entre eles o Darbas, mais tarde editado por Vaivukas que, perseguido no Brasil também se dirigiu ao Uruguai.
Alfonas Marma retornou clandestinamente ao Brasil onde atuou como ativista comunista nas principais publicações em idioma lituano ligadas ao PCB, como o jornal Musų Žodis e Tiesa. Depois de amargar alguns anos na prisão, foi solto em 1949 e seguiu para o interior do Estado de São Paulo. Na cidade de Tupã, junto com outros dois ativistas brasileiros do PCB, foi assassinado pela Força Pública do Estado de São Paulo.

Todos esses laços se entrelaçaram para que a história de um militante comunista lituano assassinado em São Paulo recebesse a atenção do principal jornal comunista lituano nos Estados Unidos. Com detalhes, choque e tristeza trechos da carta foram publicadas e informação pode alcançar todos os lituanos na América do Norte também. 

  • Quer saber mais histórias como essa? Conheça o livro Identidade em conflito: os imigrantes lituanos na Argentina, Brasil e Uruguai (1920 -1955), pode ser adquirido AQUI 
  • Conheça também o ensaio biográfico Mataram Alfonsas Marma, Imigração, Comunismo e Repressão. Rio de Janeiro: Aped, 2015. Pode ser adquirido AQUI 
  • Se você gostou deste texto assine o blog inscrevendo o seu email para receber as informações.
  • Acompanhe nossa página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário